Resgate da infância

Magdalena Bertola

 

Essa onda dos álbuns de figurinhas da Copa me pareceu muito ridícula, a princípio. Não conseguia entender como homens e mulheres de mais de 20 anos podiam gastar tanto em fotos minimizadas de jogadores de futebol. Para mim, parecia infantil demais, falta do que fazer, babaquice mesmo. Porém, semana passada, meu irmão Marcelo, de 37 anos, casado e pai de dois meninos, comentou sobre o álbum que estava completando junto com Enzo, seu filho mais velho. Ele disse até que existe um aplicativo de smartphone para “gerenciar figurinhas”. Aquilo soou estúpido para mim, obviamente, mas não comentei nada, afinal, cada um faz o que quer, não é?

Marcelo e seu filho Enzo, completando o álbum da Copa 2014 - Foto: Magdalena Bertola

Marcelo e seu filho Enzo, completando o álbum da Copa 2014 – Foto: Magdalena Bertola

Só que uns dias depois, quando cheguei na casa dele, o vi sentado na mesa da cozinha, ao lado do meu sobrinho, de seis anos, completando o álbum. Naquele momento, entendi tudo. Meu irmão mais velho, homem feito, gerente de banco e etc, voltava a ser criança quando comprava as figurinhas, quando as mostrava ao filho, quando sentava com ele para colar as novas aquisições. A ideia não é ser infantil, mas ser criança novamente, mesmo que por alguns momentos.

E a beleza da vida não é exatamente isso? Não se deixar envelhecer, por mais que as rugas vinquem a face, que o peso dos anos curve a coluna e dificulte o andar, as pessoas mais felizes, e por que não, mais belas, são aquelas com aquele sorriso de criança marota na face, que levam boa parte da vida na brincadeira. Não que a não levem a sério, mas que não se estressam da maneira que nós, jovens adultos da atualidade, fazemos por coisas tão ínfimas.

A geração atual é velha, muito velha, chata e perdida na própria amargura. Não existe dia em que não nos estressamos, seja no trânsito, na faculdade, no trabalho e até em casa, quando deveríamos, supostamente, relaxar. Então nesses momentos em que os jovens adultos, e até aqueles que já estão deixando de ser assim, tão jovens, segundo o senso comum, passam a fazer algo que não está implicitamente ligado às suas idades e às suas realidades, achamos estranho, besta. Mas é isso que faz tudo bonito, poder rolar no chão com o cachorro, descer uma ladeira em cima de um papelão, sujar o rosto com um sorvete e até colecionar figurinhas. Por mais imbecil que pareça, é legal, é bonito e necessário. Não que haja a necessidade de todos colecionarem figurinhas, mas necessitamos largar um pouco a rabugice precoce e voltarmos à felicidade simples e leve de ser criança.

E é assim que na lembrança sempre voltam brincadeiras, o sol que passava por entre as folhas das árvores, os joelhos ralados e os tênis sujos de barro. Para a maioria de nós, essas são as mais belas lembranças e, com certeza, algumas delas voltarão à nossa mente até no momento do nosso último suspiro. Esse <em>deja-vu</em> para a vida leve e simples da infância é tão pequeno e básico que esquecemos dele. Esquecemos como podemos ser felizes somente por dar uma risada gostosa de alguma coisa que há muito tempo não víamos graça, porque a sociedade e a tão dita maturidade nos tirou a essência da juventude eterna.

Volte a ser criança, jovem velho, deixe de rabugice e aprecie a beleza da alma infantil, que, acredite, ainda está ai, enterrada em algum lugar do seu coraçãozinho peludo.

ATENÇÃO!!

TODO e QUALQUER material presente nesse site é propriedade protegida por LEI!

Para utilizá-los, favor entrar em contato com a autora.
Licença 

Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0

Internacional.

Magdalena Bertola | Criar seu atalho

Anúncios

2 pensamentos sobre “Resgate da infância

  1. Pois é.
    Eu mesmo sendo rabugento, velho e chato ao extremo. Coleciono desde HQ’s, toys, selos, cédulas, legos <3, camisas de futebol (usadas exclusivamente em jogos válidos) D^:", CD's, LP's e mais um montão de coisas.

    E nada melhor que voltar no tempo, olhar um brinquedo da infância ainda intacto e/ou encontrar algo de trocentos 1000 anos sendo relançado (e ou mtooo mais legal do que era na sua infância) o que é acontece e o real motivo do colecionismo (doentio – 'meaculpa' total)!. Hahahaha. ..

    Os álbuns, por exemplo da década de 90 eram toscos demais Ammmdie, eu tenho um do Brasileiro de '98 *meu time do coração tá completo* :') [lembro que qdo me mudei o encontrei, nem lembrava mais dele] mostrei pra minha irmã, ela achou legal! (a priori, mas certamente pensou: que ridículo: meu irmão mais velho ainda tem isso). HAHAHAHAHAHA!. ..

    Aí imagino a emoção e como você bem colocou o "resgate da infância" do seu irmão com as figurinhas o álbum em sí, passando isso pro filho. É um legado e um 'revival'.

    Mto bacana! =D

    Curtir

    • HAhahaha Obrigada Ammmmrck! Fico feliz que a crônica tenha te trazido boas lembranças!
      Não acho idiotice! Quase ninguém sabe mas eu tenho uma mini coleção de porcos! Hahahahah tenho de pelúcia, de plástico, de porcelana… adoroooo! hahah e ainda tenho muitas das minhas barbies! E meus ursinhos de pelúcia então? Hahahah acho que certas coisas acabam ficando pq nos trazem um conforto para a vida adulta, não sei! Mas fico feliz que você tenha gostado! E imagino suas coleções, se bem te conheço, devem ser AS coleções hahahah

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s